O que você precisa saber ANTES de levar um cão pra casa

Se você está pensando em ter um companheiro canino, primeiro leia esse texto, ele vai te auxiliar a preparar o terreno para a chegada desse novo membro a família e, principalmente, vai te alertar para não cometer erros bem comuns e que podem mandar esse sonho de amor eterno e amizade pelo ralo em poucos dias.

Antes de qualquer coisa, você precisa pensar muito bem ANTES de realmente tomar essa decisão. Será que um cão cabe mesmo na sua vida? Como é sua rotina, e mais, como ela possivelmente será pelos próximos 10 ou 15 anos? A expectativa média de vida de um cão é de 10 a 15 anos, se você realmente quer um amigo ou um filho canino, vai precisar se dedicar a ele até o final, não é mesmo?

Outra coisa muito comum é as pessoas pesquisarem raças de cães e escolherem raças que teoricamente são mais independentes e toleram mais tempo sozinhas. Porém, nenhuma raça de cão é feita pra ficar 9, 10, 12 horas sozinha fechada em casa, ok? Os cães desenvolveram todo um repertório de comportamentos através do convívio com seres humanos ao longo da evolução, eles precisam da atenção, dedicação e companhia das pessoas com quem convivem. Com enriquecimento ambiental, atividades físicas e mentais um cão pode até tolerar ficar algum período sozinho relativamente bem. Mas não se iluda, não é possível deixar um cão 12h por dia sozinho e esperar que ele estará mentalmente e emocionalmente saudável, não vai demorar pra você sentir o drama através de comportamentos indesejados e o principal, até você perceber que seu cãozinho estará infeliz.

Se você já evoluiu dessa parte e já decidiu que a sua rotina comporta um cão e você está disposto a investir seu tempo, energia e dinheiro , sim, porque nos primeiros meses você terá gastos consideráveis com vacinas, alimentação, enxoval do filhote e educação, e depois ao longo da vida ainda terá gastos fixos e esporádicos. Se você pensou nisso tudo e decidiu, você realmente quer um cão, agora é hora de pensar quem será esse cão. Qual será o porte? Qual o nível de energia? Você vai adotar ou comprar?

Sim, esses são aspectos fundamentais! Vamos por partes!

O porte pode ser muito importante dependendo do local onde você mora e também do quanto você tem condições de investir ao longo da vida do seu cão. Um cão de porte maior vai precisar de um investimento maior também, vai comer mais, o banho custa mais e também torna a logística de levá-lo até os locais um pouco mais complicada, o que não impede de você fazer absolutamente nada, mas é bom pensar nisso. Um erro que as pessoas cometem é acreditarem que todo cão grande precisa de espaço e, por esse motivo, não se adaptam em apartamento e que, nesse caso, se você escolher cães pequenos e médios será melhor. CUIDADO! Isso nem sempre é verdade!

Claro, se você mora numa apartamento muito pequeno, ter um cão de porte grande pode ser um problema por conta de espaço mesmo. Imagina, cada vez que ele ficar feliz e balançar o rabo, quebra sua casa toda! Porém, existem cães de grande porte que são tranquilos e se adaptam super bem dentro de casa, inclusive em apartamento. O Golden Retriever, por exemplo, é um cão que necessita muito da companhia humana. É um cão que certamente será mais feliz e menos ansioso se criado dentro de casa junto com a família do que num quintal enorme e tendo companhia humana em alguns momentos do dia. Já um Border Collie, apesar de ter um médio porte, não é recomendado para apartamento e nem para famílias que não estejam dispostas a realmente incluir o cão na sua rotina e dar a ele estímulos mentais e atividades regulares. É um cão que facilmente ficará entediado e começará a encontrar coisas para se ocupar e facilmente desenvolverá problemas de comportamento por um manejo inadequado.

Isso nos leva a outro ponto importantíssimo, o nível de energia que o cão tem. Veja bem, ninguém precisa virar atleta porque decidiu ter um cão, ok? Mas, se você é uma pessoa mais tranquila, não dá pra esperar ter compatibilidade de rotina e convívio com um cão altamente ativo né? É melhor escolher um cão mais tranquilo também, que vai se contentar em ficar pertinho de você enquanto você assiste sua maratona se seriados ou trabalha. E não subestime esse fator, grande parte dos problemas mora exatamente aqui. Famílias que escolhem cães incompatíveis com seu nível de atividade. Imagina só você querendo assistir aquele seriado e o seu cão a 1000/h querendo inventar todo tipo de brincadeira pra chamar a sua atenção? Por outro lado, se você não gosta de ficar parado, um cão mais ativo pode se tornar uma ótima companhia para as suas aventuras! Vá em frente!

Outro dilema bem comum é: adotar um cão ou comprar?

Bom, se você pensar bem, existem tantos cães por aí precisando mesmo de um lar… será que você precisa realmente comprar? Algumas vantagens de adotar, além de estar contribuindo com uma causa social, é que você não vai precisar investir uma boa grana em comprar um cão. Você pode aproveitar esses recursos pra investir nas vacinas e cuidados iniciais e numa boa educação para tornar esse convívio bem legal desde o começo. Você pode também escolher um cão adulto, nesse caso, você não precisa enfrentar a fase de filhote que causa alguns contra tempos na rotina e o cão já tem o porte e o temperamento bem estabelecidos, ou seja, você já pode ter uma boa noção de como vai ser essa adaptação.

Agora, se você decidir comprar um cão, porque precisa de determinadas características específicas ou por qualquer outro motivo, tudo bem também. Porém, lembre-se de pesquisar muito bem o canil. Boas criações não vendem super barato, afinal, criar com cuidado custa caro! E, por favor, não compre filhotes em feiras, em sites de classificados ou de qualquer lugar! Ao fazer isso, além de não ter garantia nenhuma de estar realmente levando um cão da raça escolhida para casa o pior de tudo é que você certamente estará financiando maus tratos! Então, se você optar por comprar faça isso com consciência! Seja responsável!

Adotando ou comprando, o amor será o mesmo!

Bom, agora que você pensou em todos esses pontos, existe algo que não é opção: você terá que educar seu filhote caso queira conviver bem com ele! As pessoas tem um péssimo hábito de esperar pra ver se dá certo, esperar passar essa fase ou ainda ir levando o cão até que ele desenvolva um problema de relacionamento social ou com a família para só então buscar auxílio profissional. Não cometa esse erro!

Filhotes tem necessidades específicas e relativamente simples de serem atendidas. Com o auxílio de um bom profissional, atualizado e que trabalhe com técnicas positivas, você vai conseguir suprir as demandas do seu filhote e adaptá-lo muito mais facilmente a rotina desde o início, desde quando o filhotes chegar na sua casa. Não espere até que ele tenha uma certa idade ou que desenvolva algum problema. Trabalhe na PREVENÇÃO, será mais rápido, fácil e prazeroso. Muitos  dos problemas de confiança, relacionamento familiar e social que os cães desenvolvem começam logo que o cão chega na família, por manejo inadequado. Falta de socialização e educação sanitária feitos de forma inadequada podem destruir os relacionamento e a confiança do seu cão. Por isso é importante fazer as coisas com a orientação adequada.

Se você seguir todos essas orientações, essa relação tem tudo pra ser um sucesso. É só curtir a companhia do seu novo amigo!